Filmes que fazem os homens chorar

Achei por aí uma divisão de filmes que fazem os homens chorar em 3 categorias:

Categoria 1: O Atleta Subestimado Alcança O Impossível

A indentificação pega forte aqui, afinal todos nós, homens comuns, sonhamos em algum momento com algum feito esportivo acima de nossas capacidades. E nada melhor que o cinema para ilustrar que é possível atingir a glória. Adaptando de Ratatouille: “Nem todo mundo pode se tornar um grande atleta, mas um grande atleta pode vir de qualquer lugar”. Quem sabe esse grande atleta pode ser você…

Exemplos: Rocky (o clássico dos clássicos, cuja trilha já arrepia o maior ogro), Jamaica Abaixo de Zero (eu choro copiosamente no final deste), O Milagre de Berna (baseado em história real, pra estremecer sem dó as glândulas lacrimais)

Categoria 2: O Guerreiro Morre Por Um Bem Maior

Na vida real heroísmo extremo é assustador. Claro que você é corajoso, em situações de perigo mostraria toda sua habilidade e frieza. Mas não quer dizer que você esteja louco de vontade para demonstrar. O cinema trata de trazer esses loucos para nos encher de orgulho do nosso próprio potencial heróico.

Exemplos: Coração Valente (obrigado, William Wallace, por morrer por nossa liberdade), O Exterminador do Futuro 2 (quando o Arnie desce no caldeirão de lava para acabar com o futuro dos exterminadores e deixar seu amiguinho ter uma vida decente, as lágrimas jorram de emoção. quando resolvem fazer um terceiro e quarto filmes da mitologia, lágrimas jorram de raiva), Armaggedon (Brucce Willis salvando a terra pela enésima vez não me comoveu. muito.), Resgate do Soldado Ryan (o herói aqui é tão foda que nem morre por um bem maior, mas por um moleque que ele nem conhece. “faça valer a pena”, diz Tom Hanks antes do seu fim)

Categoria 3: Reconciliação De Pai e Filho

Nem todos os homens são atletas. Muito menos heróis. Demonstrar sensibilidade então é algo raríssimo. O que todos temos em comum? Somos pais e/ou filhos. Alguns filmes fizeram dessa relação momentos tocantes baseados principalmente em distanciamento e reconciliação de seres brutos que acabam se abrindo para o amor verdadeiro.

Exemplos: Peixe Grande (meu favorito no tema e pra chorar escondido), Campo dos sonhos (eu odeio baseball, mas a reconciliação final do espírito do pai jogando bola com o filho é bonito pacas), Magnolia (apesar de o filme tocar mais mulheres que homens, o encontro do Tom Cruise com o pai é arrepiante), Indiana Jones e a Última Cruzada (uma relação tão bem desenvolvida em duas horas de filme com uma química tão bonita que chega a ser difícil acreditar que Harrison Ford e Sean Connery não são filho e pai na vida real)

Tem mais, mas vai ficar pra outra hora. Entrou um cisco no meu olho…

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: